Meditação Por Daniel De Nardi A …

Meditação
Por Daniel De Nardi

A meditação nos ensina que para expandirmos a consciência devemos manter nossa atenção focada, o maior tempo possível, num único ponto, seja ele uma imagem ou um som. Nossa mente, dispersa por natureza, e por isso mesmo ávida por novidades, fará de tudo para fugir desta estabilidade que para ela não parece nada agradável. O meditante deve estar muito convicto do que quer, para que quando as dispersões tentarem tirá-lo do foco inicial possa percebê-las rapidamente e retornar a fazer o que se propôs no início do exercício. Lembranças, falsas prioridades, preocupações e compromissos aparentemente inadiáveis, invadirão sua consciência com o objetivo de desviá-lo da busca de um bem-estar maior. Estando o tempo todo atento a esses truques da mente, ele não embarcará nas distrações e permanecerá mais tempo fazendo somente o que se determinou. O início de uma meditação é como um jogo de pega-pega no qual, a mente dispersa e foge e você quando percebe a traz de volta sem se deixar envolver com os pensamentos alheios. Vencida a primeira etapa, embarcamos numa experiência gratificante e enriquecedora.

Não se esqueça do COMO Quando colocamos…

Não se esqueça do COMO

Quando colocamos em prática um plano que foi traçado para alcançar metas, sejam elas pessoais ou profissionais, nem sempre damos a devida atenção que a ação mereceria. Não uma ação frenética, sem propósito ou direção, mas uma ação certeira que conduzirá ao objetivo desejado. Esquecemos-nos de fazer e refazer perguntas que nos induzem a atuar precisamente.

COMO chegaremos lá? COMO faremos? COMO melhoraremos?

O agir é o único verbo que conseguirá transformar desejos em realidade. Se o negligenciarmos, todos os planos que fizermos durante a vida não se realizarão. Dificilmente, nós reconhecemos que não atingimos aquilo que almejávamos por não termos cumprido com o que nos determinamos a fazer. Preferimos encontrar alguma desculpa esfarrapada, que não seja a falta de ação, para os nossos fracassos.
A ação é a etapa mais importante de um planejamento e não há outra forma de fazer as coisas acontecerem se não for por ela. É por isso que todo plano deve ser montado, visando prioritariamente a execução. Para que se consiga êxito nesta etapa fundamental, é imprescindível que as pessoas envolvidas nela estejam aptas a realizar as ações. O mesmo vale se o plano for individual. A capacidade de execução da equipe, ou do indivíduo envolvido, deve ser maior que o desafio que será enfrentado. Caso contrário, os resultados não aparecerão e criar-se-á uma desconfiança tremenda na nossa capacidade de realização. A execução é o ato que aproximará aquilo que almejamos daquilo que temos. Aquilo que desejamos daquilo que somos.